• Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

ANP diz que vazamento de petróleo em poço da Chevron continua

E-mail Imprimir PDF

Rio de Janeiro, 20 nov (EFE).- A Agência Nacional de Petróleo do(ANP) informou neste domingo que continua vazando petróleo "em alguns pontos" do leito marinho do Atlântico, onde há duas semanas começou o problema em um poço da companhia Chevron

O ente regulador utilizou imagens submarinas tiradas no sábado por um veículo controlado de forma remota e informações de um navio da Marinha que navegou neste domingo pela região onde está localizada a fissura de 400 metros por onde brotou o petróleo.

A selagem do poço começou na quarta-feira passada com a injeção de lodo pesado e continuará esta semana com a aplicação de cimento, com o que se espera controlar totalmente o vazamento de petróleo.

A ANP também informou que a mancha de petróleo na superfície marinha continua se espalhando pelo litoral em direção sudeste, embora não tenha detalhado novos cálculos sobre suas dimensões.

Na sexta-feira passada, a mancha de petróleo registrava uma extensão de 18 quilômetros e uma área de 11,8 quilômetros quadrados, segundo os dados do órgão.

O vazamento aconteceu perto de um poço no Campo de Frade, a 120 quilômetros do litoral do município de Campos dos Goytacazes, em cuja bacia está a maioria das jazidas petrolíferas do país.

A ANP calculou que foram vertidos ao mar entre 200 e 330 barris diários entre os dias 8 e 15 de novembro, dia no qual foi feita selagem da fissura, mas não existem cálculos de quanto petróleo se derramou desde então, e a Chevron também não apresentou números.

Uma equipe de técnicos da ANP visitou no sábado a sede da Chevron "para verificar aspectos relacionados ao reservatório e ao cumprimento do programa de perfuração de poços", acrescentou a nota distribuída para a imprensa.

O presidente da divisão brasileira da Chevron, George Buck, disse que a companhia petrolífera assume "total responsabilidade" pelo vazamento.

"Qualquer (quantidade de) petróleo na superfície do oceano é inaceitável para a Chevron", afirmou o executivo, em declarações publicadas pela "Agência Estado".

Buck negou que tenham sido utilizados mecanismos proibidos para limpar a mancha de petróleo, como disse no sábado um responsável da Polícia, que acusou a companhia de usar jatos de areia sob pressão para empurrar o petróleo sob a superfície marinha, o que constituiria um delito.

A companhia americana acredita que o acidente aconteceu por causa de um erro nas medições da pressão dos hidrocarbonetos em uma das jazidas.

O erro de cálculo fez com que o petróleo vazasse e brotasse por uma fissura no fundo do mar próxima ao lugar onde eram feitas as perfurações.

Desde que o acidente foi divulgado, a Chevron anunciou que pretende abandonar o poço, que opera em associação com a Petrobras e o consórcio japonês Frade Japão Petróleo. EFE

Fonte: UOL

voltar

 

Login

Busca

banner.jpg

Newsletter